A sua

não há amor em linha reta
você é a minha curva
derrapo em seu corpo
e beijo a sua nuca

dispenso as flores
por mais você

no prazer do seu corpo eu me encontro
uma noite inteira a sussurrar
no pé do teu ouvido
os meus desejos mais sujos
mais uma amante, aspirante

(Ana Laurentino)






Prognostico de Paixão

toda paixão tem seus sintomas
revira na cama e poem-se a pensar
são só sonhos, talvez mais
são só planos, talvez mais
são só beijos, talvez um pouco mais
um pouco mais do que desejos
um pouco mais do que anseios
um pouco mais de sentimento, para aquecer o peito

(Ana Laurentino)

Vida Escrita



me dou um lápis e um papel, ponho-me a sonhar
sou então, senhor de mim, quando começo a pensar
sou viajante, itinerante,
sem sair do papel, voo no mundo e por um segundo não sou mais tinta
sou a realidade nua, mas não crua,
imaginária cozida na alma, com o sabor de quem come todo dia,
a sua própria poesia,
ao se entregar as palavras.

(Ana Laurentino)

"poesia é som que surdo inventa"
sérgio lima silva

Máscara de Ser Feliz

Subverto minha alma
antes que a chuva me desmanche

Ponho a roupa depois tiro
Me penduro no varal

Quero brincar de não ser eu,
vou ser quem eu quiser

Vou me secar
Vou me passar

Desligo meu telefone
Pinto a cara e vou para a rua
 (Ana)
Ana Laurentino. Tecnologia do Blogger.