Espaço não preenchido

Sou praticante de uma arte, a arte do não saber viver.
A arte de manter-me vazia em meio a multidão.
Precipito-me sempre ao lançar-me feito pluma ao vento.
Repugno-me ao ver que a ansiedade atrapalhou-me os pensamentos.
Tenho sonhado com o que não tenho, sentindo-me mais incompleta a instante.
Desejo não ter mais desejos. Desejo permanecer-me só, sem sonhos !
Ana Laurentino. Tecnologia do Blogger.