Incontinência Sentimental




Dos meu largos passos, vagos
agora apagados, submetida a este júbilo
por um amor que tanto quis, quero,
desejar-te e possuir-te a cada segundo
em que meu sangue pulsa.
Não te tenho, não te vejo, então despejo
tudo que há por dentro, no ar, no nada.
Expando a dor de não te ter, me consumo
Me devoro,
Te devoro,
nos meus melhores sonhos.

(Ana Laurentino)


Ser tua sombra, tua sombra, apenas,
e estar vendo e sonhando à tua sombra
a existência do amor ressucitada.

Falar contigo pelo deserto.

(Cecília Meireles)
Ana Laurentino. Tecnologia do Blogger.